terça-feira, maio 19, 2009

Impressões de um mundo estranho

Quando falamos sobre surrealismo e seus adeptos, temos a idéia de que essa estranheza idealista só acontece nas obras de arte. Mas ele se manifesta em nosso cotidiano, e de modo tão banal quanto respirar. Acompanhe meu raciocínio: - Enfrentar um engarrafamento às 18:00h de uma segunda-feira, dentro do seu carro, pode ser tão insano e cruel quanto sujeitar-se a duas horas de viajem dentro de um ônibus lotado. Tudo depende do contexto..

É aquela velha história, a loucura e o desespero estão dentro de nós mesmos. E se considerarmos isso como fato verídico, poderemos compreender que as coisas seriam mais fáceis se usássemos um pouco de paciência e bom senso. Descobri isso hoje, em meio a uma reunião muito inconveniente no meu trabalho. As pessoas, no caso específico, os supostos "lideres" tentam agregar regras e alfinetadas multidirecionais, na ilusão de que serão compreendidos e/ou levados a sério.

Ora, ninguém extrai colaboração da raiva ou da provocação gratuita. A pontuação máxima, neste caso, é a indiferença persistente acompanhada de ódio disperso, muito mais perigoso que uma bomba. Resolvi deixar as coisas em "standby" ou no piloto automático mesmo.. É mais valioso privilegiar as questões importantes e positivas de nossas vidas do que dar impulso ao vôo maluco de um avião de papel.

E nesse dia-a-dia tão desastrado quanto o pouso de um albatroz, eu ainda consigo respirar sem me cansar ou chorar.. Devo estar anestesiado ou drogado. É prova do meu valor saber enfrentar tudo isso, desejar algo melhor com toda a força do meu sentimento. Jamais serei mais nobre que o meu vizinho, só que muitas vezes é preciso escolher entre pintar um autoretrato ou rabiscar contornos abstratos..

2 comentários:

Lilian Jacksa Villalba disse...

Falou tudo... Muito inspirador. Abraços.

Lilian Tavares disse...

Olá!
Encontrei seu blog ao acaso e fui atraída pelo título. Li alguns de seus post e confesso que fiquei embasbacada com a peculiaridade de seus textos. Fantástico! Incrível, mesmo!

Prazer!